Nerd Professor

Assoreamento

Assoreamento é o processo de alteração e/ou degradação dos rios e cursos d’água em geral em virtude do acúmulo de sedimentos em seu leito. O principal impacto ambiental desse problema é o acúmulo de bancos de areia nas áreas de águas pluviais, gerando alterações no curso dos rios ou, em casos extremos, provocando a sua extinção ou redução substancial de sua vazão. A principal causa do assoreamento de rios é a intensificação do processo de sedimentação do solo, ou seja, a remoção dos sedimentos na camada superficial com o seu posterior destino aos cursos d’água graças ao transporte realizado pelo escoamento da água das chuvas. Essa situação é originada ou agravada pelas práticas humanas, principalmente pela remoção da vegetação, que teria como função conter a produção de sedimentos por meio da proteção do solo e também dificultar a locomoção desses em direção aos rios.

O combate ao assoreamento só é totalmente efetivo mediante trabalhos preventivos que visem conter o desmatamento tanto na margem dos cursos d’água, onde ocorre a erosão fluvial, como na bacia hidrográfica como um todo, de modo a atenuar a quantidade de sedimentos produzidos em períodos chuvosos. Os sedimentos acumulados ao longo dos cursos d’água são transportados pelas águas do próprio rio e estacionam-se nas áreas mais planas, onde a velocidade da vazão é naturalmente menor. Nesses pontos, formam-se muitos bancos de areia e a navegação ou migração de espécies fluviais torna-se cada vez mais dificultada. Quando a carga de material depositado é muito grande, ela pode aglutinar-se mesmo nas áreas de vertente, onde a força da água é maior, provocando profundas alterações na composição do leito dos rios. Portanto, a conservação dos cursos d’água perpassa necessariamente pela preservação das áreas de vegetação, sobretudo em regiões onde os efeitos das águas das chuvas sobre o solo e a ocorrência de erosões são mais intensos. Mais do que um problema natural, o assoreamento pode manifestar-se também como uma questão de cunho socioambiental.

Fonte: Mundo Educação

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *